Display

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

O Deus brasileiro é Moloc que devora seus filhos

  O Deus brasileiro é Moloc que devora seus filhos


LEONARDO BOFF
14/01/2017
         Diz-se que Deus é brasileiro, não o Deus da ternura dos humildes mas o Moloc dos amonitas que devora seus filhos. Somos um dos países mais desiguais, injustos e violentos do mundo. Teologicamente vivemos numa situação de pecado social e estrutural em contradição com o projeto de Deus. Basta considerar o que ocorreu nos presídios de Manaus, Rondônia e Roraima. É pura barbárie: a fúria decapita, fura os olhos e arranca o coração.
Não há uma violência no Brasil. Estamos assentados sobre estruturas histórico-sociais violentas, vindas do genocídio indígena, do colonialismo humilhante e do escravagismo desumano. Não há como superar estas estruturas sem antes superar esta tradição nefasta.
Como fazê-lo? Esse é um desafio que demanda uma transformação colossal de nossas relações sociais. Será ainda possível ou estamos condenados a sermos um país pária? Vejo ser possível à condição de seguirmos estes dois caminhos, entre outros, elaborados a partir de baixo: a gestação de um povo a partir dos movimentos sociais e a instauração de uma democracia social de base popular.
A gestação de um povo: os que nos colonizaram não vinham para criar uma nação, para fundar uma empresa comercial a fim de enricar rapidamente, tornar-se fidalgos (filhos de algo), regressar a Portugal e desfrutar da riqueza acumulada. Submeteram primeiro os índios e depois introduziram os negros africanos como mão-de-obra escrava. Criou-se aqui uma massa humana dominada pelas elites, humilhada e desprezada até os dias atuais.
Abstraindo das revoltas anteriores, a partir dos anos 30 do século passado houve uma virada histórica. Surgiram os sindicatos e os mais variados movimentos sociais. Em seu seio foram surgindo atores sociais conscientes, críticos, com vontade de modificar a realidade social e de gestar as sementes de uma sociedade mais participativa e democrática.
A articulação dessas associações gerou o movimento popular brasileiro. Ele está fazendo da massa um povo organizado que não existia antes como povo mas que agora está nascendo. Ele obriga a sociedade política e escutá-lo, a negociar, e destarte a diminuir os níveis de violência estrutural.
         A criação de uma democracia social, de base popular: possuímos uma democracia representativa de baixíssima intensidade, cheia de vícios políticos, corrupta com representantes eleitos, em geral, pelas grandes empresas cujos interesses representam.
Mas em contrapartida, como fruto da organização popular já se produziram partidos populares ou segmentos de partidos progressistas e até liberais-burgueses ou tradicionalmente de esquerda que postulam reformas profundas na sociedade e visam a conquistar o poder de Estado, seja municipal, estadual ou federal.
Essa democracia participativa se baseia, fundamentalmente, nestes quatro pés, com os de uma mesa.
  • participação a mais ampla possível de todos, de baixo para cima, de tal sorte que cada um possa se entender como cidadão ativo;
  • igualdade, que resulta dos graus de participação; ela confere ao cidadão mais chances de viver melhor. Em face das desigualdades subsistentes, deve vigorar a solidariedade social;
  • respeito às diferenças de toda ordem; por isso, uma sociedade democrática deve ser pluralista, multiétnica, pluri-religiosa e com vários tipos de propriedade;
  • valorização da subjetividade humana – o ser humano não é apenas um ator social, é uma pessoa, com sua visão de mundo e que cultiva valores de cooperação e solidariedade que humanizam as instituições e as estruturas sociais.
Esta mesa, entretanto, está assentada sobre uma base, sem a qual ela não se sustenta: uma nova relação para com a natureza e para com a Terra, nossa Casa Comum como enfatiza a encíclica ecológica do Papa Francisco. Em outras palavras, esta democracia deverá incorporar o momento ecológico, fundado num outro paradigma. O vigente, centrado no poder e da dominação em função da acumulação ilimitada, encontrou uma fronteira insuperável: os limites da Terra e de seus bens e serviços não renováveis. Uma Terra limitada não suporta um projeto ilimitado de crescimento. Por forçar estes limites, assistimos ao aquecimento global e aos eventos extremos vividos neste ano de 2017 com neves em toda a Europa que não ocorriam há cem anos.
Esta consciência dos limites que cresce mais e mais, nos obriga a pensar num novo paradigma de produção, de consumo e de repartição dos recursos escassos entre os humanos e também com a comunidade de vida ( a flora e a fauna que também são criadas pela Terra e que precisam de seus nutrientes). Aqui entram os valores do cuidado, da corresponsabilidade e da solidariedade de todos com todos, sem os quais o projeto jamais prosperará.
A partir destas premissas podemos pensar na superação de nossas estruturas sociais violentas. O resto é tapeação de mudança para que nada mude.

Leonardo Boff é articulista do JB on line e escritor.

terça-feira, 25 de outubro de 2016

VALE EUROPEU

Vale Europeu: cultura e compras no vale do Itajaí

    A herança cultural dos colonizadores alemães, italianos, austríacos, poloneses e portugueses é a marca da região catarinense localizada no Vale do Itajaí
    Por Geraldo Gurgel

    Quem visita Blumenau (SC), em busca de cerveja, comida típica e outros atrativos característicos da cultura alemã pode esticar a viagem pelo Vale Europeu. O roteiro pode começar e terminar pela própria Blumenau que concentra boa parte dos atrativos turísticos da região. São muitas as opções espalhadas pelo Vale Europeu: da arquitetura típica à culinária, celebrada em grande estilo durante festas típicas; dos roteiros de compras pelas cidades-polo da indústria têxtil catarinense às celebrações religiosas que acontecem em vários municípios; do ecoturismo ao turismo rural. Tem opções para todos os gostos, bolsos e tipos de viajantes.
    A arquitetura, os costumes, a gastronomia e até os dialetos remetem ao velho continente. Em Blumenau, Pomerode, Brusque e Gaspar, a cultural alemã predomina. Em São João Batista, Rodeio e Nova Trento destaca-se a colonização italiana. Em quase todos os 49 municípios da região há festas que celebram a cultura dos imigrantes. O mês de outubro é marcado pelas tradicionais Oktoberfest (Blumenau), Fenarreco (Brusque), a Festa do Imigrante (Timbó) e a Kegelfest (Rio do Sul). Até o fim do ano tem a Festa Pomerana (Pomerode), a Anima Italiana (Rio do Sul), a Festitália (Blumenau), a Festa Trentina (Rio dos Cedros), a La Sagra (Rodeio) e a Weihnachtsmarkt (Ibirama).
    TURISMO DE COMPRAS – Algumas cidades do Vale Europeu são conhecidos destinos de compras. Brusque é um dos principais polos têxteis do país. No ramo calçadista, destaca-se São João Batista. Já Rio do Sul se sobressai pela produção de jeans. Enquanto Blumenau foi a primeira cidade do Vale Europeu a apostar no turismo de compras de cristais, porcelanas, têxteis, brinquedos e chocolates.
    TURISMO RURAL - Viajar pelas cidades do Vale Europeu é um dos passeios mais agradáveis que se pode fazer em Santa Catarina. A paisagem é entrecortada por rios e cascatas. Em 12 municípios da região as propriedades rurais oferecem hospedagem, pescarias, cavalgadas e trilhas, além de mesa farta, com café colonial, produtos orgânicos e caseiros. As paisagens incluem casas de estilo enxaimel (colonial alemão), moinhos, rodas-d’água, capelas e engenhos.
    Santuário de Azambuja em Brusque. Crédito: Prefeitura municipal
    TURISMO RELIGIOSO - O Vale Europeu também abriga santuários, capelas, oratórios, igrejas e grutas dedicadas a diversos santos. Só em Nova Trento são mais de 30 instituições ligadas à fé católica, incluindo o Santuário Santa Paulina, dedicado à primeira santa brasileira. Destacam-se, ainda, o Santuário Nossa Senhora de Azambuja, em Brusque e a Gruta Nossa Senhora de Fátima, em Doutor Pedrinho. O roteiro também tem igrejas luteranas em Blumenau, Aurora, Presidente Nereu e Ibirama, e uma igreja ucraniana, em Santa Terezinha.
    ECOTURISMO - Morros, vales, rios, cascatas e cachoeiras do Vale Europeu são um convite permanente para a prática de trekking, rapel, cascading, canyoning, mountain biking, voo livre e parapente. A tradição da bicicleta é mais uma herança dos colonizadores europeus e opção de esporte em contato com a natureza no roteiro catarinense.  O circuito ciclístico intermunicipal do Vale Europeu, com 300 km, atravessa nove municípios. Rio dos Cedros faz parte da rota e chama a atenção pela beleza dos lagos cercados de montanhas. Outra atração imperdível no roteiro dos ciclistas, pela sua beleza natural, é a caverna de Botuverá, a maior do Sul do país.
    fonte MINISTÉRIO DO TURISMO


    quinta-feira, 12 de maio de 2016

    MOVIMENTOS SOCIAIS DIZEM NAO RECONHECER GOVERNO TEMER

    Portal Title

    ILEGÍTIMO

    Em ato na Paulista, movimentos sociais dizem não reconhecer governo Temer

    Segundo Frente Povo Sem Medo, ação não é em defesa da presidenta afastada pelo golpe, mas da democracia e dos direitos sociais
    por Agência Brasil publicado 12/05/2016 20:31
    DIVULGAÇÃO / TWITTER
    napaulista.jpg
    Por volta das 19h, coordenadores contabilizam cerca de 30 mil pessoas repudiando o governo de Michel Temer, que assumiu a Presidência após golpe consumado pela manhã, no Senado
    Brasília – Em manifestação no vão-livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp) desde o fim da tarde de hoje (12), movimentos sociais da Frente Povo Sem Medo disseram não reconhecer como legítimo o governo do presidente interino Michel Temer e prometeram intensificar a mobilização nas ruas do país.
    O coordenador do movimento, Guilherme Boulos, disse que a ação não é em defesa da presidenta afastada Dilma Rousseff, mas da democracia e dos direitos sociais.
    "Não estivemos na rua defendendo a Dilma, estivemos nas ruas defendendo a democracia contra o golpe e defendendo direitos sociais. Permanecemos mais do que nunca agora nas ruas, porque o que hoje se estabeleceu no país é algo muito grave. A partir do dia de hoje, temos um presidente ilegítimo na cadeira da Presidência da República", disse. "Não reconhecemos a legitimidade de um governo que não seja um governo eleito", completou.
    Os manifestantes pretendem percorrer em passeata a Avenida Paulista até a sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e, depois seguir até o escritório na Presidência da República em São Paulo, também na Paulista.
    "Aqueles que acham que o ato do Senado, consumado na manhã de hoje, vai pacificar o país – eu não sei se alguém ainda acredita nessa fábula – se alguém acredita nisso, vai ter a resposta nas ruas. Isso, seguramente, vai intensificar as mobilizações pelo país", destacou Boulos.
    Equipe ministerial
    O coordenador da frente, que reúne mais de 30 movimentos nacionais, criticou a política social e econômica do governo Temer. Segundo Boulos, o ministério do presidente interino é formado por "corruptos notáveis" e deverá servir à retirada de direitos sociais. "Disseram que iria ser um ministério de notáveis, o que nós estamos vendo é que é um ministério de corruptos notáveis", disse.
    "É um retrocesso democrático, uma ferida na democracia brasileira quando se dá um golpe como esse, um golpe institucional. Ainda há iminência de retrocessos maiores quando se tenta aplicar um programa desastroso, de terra arrasada, de regressão social que ataca direitos sociais, que busca atacar programas sociais. Não vamos admitir isso", acrescentou.
    Fiesp
    Por volta das 19 horas, os manifestantes, que chegavam a 30 mil, segundo os organizadores, concentraram-se perto da sede da Fiesp. Um cordão de policiais impediu, no entanto, que o grupo alcançasse a frente do prédio. Membros dos movimentos sociais gritaram palavras de ordem, como "Fora Temer" e "A verdade é dura, a Fiesp apoiou a ditadura, e ainda apoia". Um pato de papel foi queimado, em referência ao símbolo utilizado pela federação em campanha contra impostos.
    Mais cedo, em discurso feito no microfone do carro de som, o coordenador da Frente Sem Medo, Guilherme Boulos, fez duras críticas à federação. Boulos ressaltou que a Fiesp apoiou o "golpe" e articula-se para que o povo mais pobre agora fique com o prejuízo da crise, "pague o pato". "Hoje estamos tranquilos. Mas vai chegar o dia em que vamos tomar aquele prédio e tirar o Skaf [Paulo Skaf, presidente da federação] pelo colarinho", disse.
    Boulos ainda voltou a fazer críticas a retirada de direitos sociais, e destacou que se isso ocorrer, o movimento social irá reagir. "Se mexerem nos recursos dos programas sociais, esse país vai pegar fogo. Essa é a receita para virar o país", disse.
    Às 19h40, os manifestantes ocupavam todas as oito faixas de cerca de dois quarteirões da Avenida Paulista e seguiam em passeata até ao escritório da Presidência da República.

    LEONARDO BOFF